segunda-feira, 30 de setembro de 2013

Leituras do mês - setembro/13

    Hallo!

    Nem li tantos títulos nesse mês de setembro pois fiquei ocupadas com outras atividades, mas fiz boas leituras. Vamos conferir?!

  • Eu li



    Título: Ágape
    Autor: Padre Marcelo Rossi
    Editora: Globo
     Formato: paperback
    Qde páginas: 125 
    Idioma: português
    Perfil no Skoob: veja aqui




    Um livro singelo mas tocante, gostei principalmente das orações.




    Título: Seraphina
    Autor: Rachel Hartman
    Editora: Doubleday Childrens
     Formato: hardcover
    Qde páginas: 368 
    Idioma: inglês
    Perfil no Skoob: veja aqui a edição em português





    Essa fantasia é bem legal, a resenha vai ao ar nesta quinta (03/10) já está no ar.




    Título: Infâmia
    Autor: Ana Maria Machado
    Editora: selo Alfaguara da editora Objetiva
     Formato: paperback
    Qde páginas: 277 
    Idioma: português
    Perfil no Skoob: veja aqui





     Esse livro eu ganhei de presente no começo desse ano, e me surpreendi com a escrita deliciosa e com o conteúdo consistente da escritora Ana Maria Machado, a resenha vai sair em breve.



  • Estou lendo



    Título: Wild Cards
    Série: Wild Cards - book 1
    Autores: variados 
    Editado por: George R. R. Martin
    Editora: Orion Publishing Group
     Formato: paperback
    Qde páginas: 567
    Idioma: inglês
    Perfil no Skoob: veja aqui o perfil da versão em português



    Esse mês não consegui ler nada dele. :(




    Título: A Clockwork Orange
    Autor: Anthony Burgess
    Editora: Penguin
     Formato: paperback
    Qde páginas: 141
    Idioma: inglês
    Perfil no Goodreads: veja aqui




    Esse é a versão em inglês do livro que conhecemos como Laranja Mecânica, um clássico distópico que tenho que ler para o clube virtual do livro Reencontrando os Consagrados do site SobreLivros.





    Título: Anjos da Morte
    Série: Filhos do Éden - livro 2
    Autor: Eduardo Spohr
    Editora: Verus
     Formato: paperback
    Qde páginas: 590
    Idioma: português
    Perfil no Skoob: veja aqui



    Estava louca pra começar a ler esse, e não estou me decepcionando. Para saber um pouquinho das minhas primeiras impressões veja o meu primeiro post do meme 'Li até a página 100 e...'


    E, que venha outubro!!!

   Ha det!

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Top 10 Challenged Books List

    Hei!

    No post anterior falei um pouco sobre a Semana dos Livros Banidos, que está acontecendo nos EUA. E agora venho mostrar a lista que o Office for Intellectual Freedom da American Library Association compila todo ano com os 10 livros mais frequentemente "contestados". A ideia é que as listas informem ao público sobre a censura que bibliotecas e escolas estejam sofrendo.

   O interessante é ver que vários livros listados são de grande conhecimento do público, alguns sendo até mesmo recordistas de vendas, e outros são considerados clássicos da literatura.


TOP 10 CHALLENGED BOOKS LISTS by year: 2001 - 2012
 (Lista por ano dos 10 livros que mais sofreram contestação entre 2001 - 2012)

2012

No total 464 contestações foram reportadas ao "the Office for Intellectual Freedom".
 
  1. Captain Underpants (series), by Dav Pilkey.
    Razões: Linguagem ofensiva; inadequado para a faixa etária
  2. The Absolutely True Diary of a Part-Time Indian, by Sherman Alexie.
    Razões: Linguagem ofensiva; racismo; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  3. Thirteen Reasons Why, by Jay Asher.
    Razões: Drogas/álcool/tabagismo; conteúdo sexual explícito; suicídio; inadequado para a faixa etária
  4. Fifty Shades of Grey, by E. L. James.
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  5. And Tango Makes Three, by Peter Parnell and Justin Richardson.
    Razões: Homossexualidade; inadequado para a faixa etária
  6. The Kite Runner, by Khaled Hosseini.
    Razões: Homossexualidade; linguagem ofensiva; ponto de vista religioso; conteúdo sexual explícito
  7. Looking for Alaska, by John Green.
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  8. Scary Stories (series), by Alvin Schwartz
    Razões: Inadequado para a faixa etária; violência
  9. The Glass Castle, by Jeanette Walls
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  10. Beloved, by Toni Morrison
    Razões: Conteúdo sexual explícito; ponto de vista religioso; violência

 

2011

No total 326 contestações foram reportadas ao "the Office for Intellectual Freedom".

  1. ttyl; ttfn; l8r, g8r (series), by Lauren Myracle
    Razões: Linguagem ofensiva; ponto de vista religioso; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  2. The Color of Earth (series), by Kim Dong Hwa
    Razões: Nudismo; educação sexual; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  3. The Hunger Games trilogy, by Suzanne Collins
    Razões: Antiético; contra a instituição familiar; insensibilidade; linguagem ofensiva; ocultismo/satanismo; violência
  4. My Mom's Having A Baby! A Kid's Month-by-Month Guide to Pregnancy, by Dori Hillestad Butler
    Razões: Nudismo; educação sexual; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  5. The Absolutely True Diary of a Part-Time Indian, by Sherman Alexie
    Razões: Linguagem ofensiva; racismo; ponto de vista religioso; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  6. Alice (series), by Phyllis Reynolds Naylor
    Razões: Nudismo; linguagem ofensiva; ponto de vista religioso
  7. Brave New World, by Aldous Huxley
    Razões:  Insensibilidade; nudismo; racismo; ponto de vista religioso; conteúdo sexual explícito
  8. What My Mother Doesn't Know, by Sonya Sones
    Razões: Nudismo; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  9. Gossip Girl (series), by Cecily Von Ziegesar
    Razões: Drogas; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  10. To Kill a Mockingbird, by Harper Lee
    Razões: Linguagem ofensiva; racismo

 

2010

No total 348 contestações foram reportadas ao "the Office for Intellectual Freedom".

  1. And Tango Makes Three, by Peter Parnell and Justin Richardson
    Razões: Homossexualidade; ponto de vista religioso; inadequado para a faixa etária
  2. The Absolutely True Diary of a Part-Time Indian, by Sherman Alexie
    Razões: Linguagem ofensiva; racismo; educação sexual; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária; violência
  3. Brave New World, by Aldous Huxley
    Razões:  Insensibilidade; linguagem ofensiva; racismo; conteúdo sexual explícito
  4. Crank, by Ellen Hopkins
    Razões: Drogas; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  5. The Hunger Games, by Suzanne Collins
    Razões: Conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária; violência
  6. Lush, by Natasha Friend
    Razões: Drogas; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  7. What My Mother Doesn't Know, by Sonya Sones
    Razões: Sexismo; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  8. Nickel and Dimed, by Barbara Ehrenreich
    Razões: Drogas; inexato; linguagem ofensiva; ponto de vista político; ponto de vista religioso
  9. Revolutionary Voices, edited by Amy Sonnie
    Razões: Homossexualidade; conteúdo sexual explícito
  10. Twilight, by Stephenie Meyer
    Razões: Ponto de vista religioso; violência

2009

No total 460 contestações foram reportadas ao "the Office for Intellectual Freedom".
  1. ttyl; ttfn; l8r, g8r (series), by Lauren Myracle
    Razões: Drogas; nudismo; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  2. And Tango Makes Three, by Peter Parnell and Justin Richardson
    Razões: Homossexualidade
  3. The Perks of Being A Wallflower, by Stephen Chbosky
    Razões: Contra a instituição familiar; drogas; homossexualidade; linguagem ofensiva; ponto de vista religioso; conteúdo sexual explícito; suicídio; inadequado para a faixa etária
  4. To Kill A Mockingbird, by Harper Lee
    Razões: Linguagem ofensiva; racismo; inadequado para a faixa etária
  5. Twilight (series) by Stephenie Meyer
    Razões: Ponto de vista religioso; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  6. The Catcher in the Rye, by J.D. Salinger
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  7. My Sister's Keeper, by Jodi Picoult
    Razões: Homossexualidade; linguagem ofensiva; ponto de vista religioso; sexismo; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária; violência
  8. The Earth, My Butt, and Other Big, Round Things, by Carolyn Mackler
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  9. The Color Purple, by Alice Walker
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  10. The Chocolate War, by Robert Cormier
    Razões: Nudismo; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária

 

2008

No total 513 contestações foram reportadas ao "the Office for Intellectual Freedom".

  1. And Tango Makes Three, by Justin Richardson and Peter Parnell
    Razões: Antiético; contra a instituição familiar; homossexualidade; ponto de vista religioso; inadequado para a faixa etária
  2. His Dark Materials trilogy, by Philip Pullman
    Razões: Ponto de vista político; ponto de vista religioso; violência
  3. ttyl; ttfn; l8r, g8r (series), by Lauren Myracle
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  4. Scary Stories (series), by Alvin Schwartz
    Razões: Ocultismo/satanismo; ponto de vista religioso; violência
  5. Bless Me, Ultima, by Rudolfo Anaya
    Razões: Ocultismo/satanismo; linguagem ofensiva; ponto de vista religioso; conteúdo sexual explícito; violência
  6. The Perks of Being a Wallflower, by Stephen Chbosky
    Razões: Drogas; homossexualidade; nudismo; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; suicídio; inadequado para a faixa etária
  7. Gossip Girl (series), by Cecily von Ziegesar
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  8. Uncle Bobby's Wedding, by Sarah S. Brannen
    Razões: Homossexualidade; inadequado para a faixa etária
  9. The Kite Runner, by Khaled Hosseini
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  10. Flashcards of My Life, by Charise Mericle Harper
    Razões: Conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária

 

2007

No total 420 contestações foram reportadas ao "the Office for Intellectual Freedom".

  1. And Tango Makes Three, by Justin Richardson and Peter Parnell
    Razões: Antiético; contra a instituição familiar; homossexualidade; ponto de vista religioso; sexismo; inadequado para a faixa etária
  2. The Chocolate War, by Robert Cormier
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; violência
  3. Olive's Ocean, by Kevin Henkes
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  4. The Golden Compass, by Philip Pullman
    Razões: Ponto de vista religioso
  5. The Adventures of Huckleberry Finn, by Mark Twain
    Razões: Racismo
  6. The Color Purple, by Alice Walker
    Razões: Homossexualidade; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  7. ttyl, by Lauren Myracle
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  8. I Know Why the Caged Bird Sings, by Maya Angelou
    Razões: Conteúdo sexual explícito
  9. It's Perfectly Normal, by Robie Harris
    Razões: Educação sexual; conteúdo sexual explícit
  10. The Perks of Being a Wallflower, by Stephen Chbosky
    Razões: Homossexualidade; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária

 

2006

No total 546 contestações foram reportadas ao "the Office for Intellectual Freedom".

  1. And Tango Makes Three, by Justin Richardson and Peter Parnell
    Razões: Contra a instituição familiar; homossexualidade; inadequado para a faixa etária
  2. Gossip Girls (series), by Cecily Von Ziegesar
    Razões: Homossexualidade; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  3. Alice (series), by Phyllis Reynolds Naylor
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  4. The Earth, My Butt, and Other Big Round Things, by Carolyn Mackler
    Razões: Contra a instituição familiar; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  5. The Bluest Eye, by Toni Morrison
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  6. Scary Stories (series), by Alvin Schwartz
    Razões:  Insensibilidade; ocultismo/satanismo; inadequado para a faixa etária; violência
  7. Athletic Shorts, by Chris Crutcher
    Razões: Homossexualidade; linguagem ofensiva
  8. The Perks of Being a Wallflower, by Stephen Chbosky
    Razões: Homossexualidade; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  9. Beloved, by Toni Morrison
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  10. The Chocolate War, by Robert Cormier
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; violência

 

2005

No total 405 contestações foram reportadas ao "the Office for Intellectual Freedom".

  1. It's Perfectly Normal: Changing Bodies, Growing Up, Sex, and Sexual Health, by Robie H. Harris
    Razões: Aborto; homossexualidade; nudismo; ponto de vista religioso; educação sexual; inadequado para a faixa etária
  2. Forever, by Judy Blume
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual
  3. The Catcher in the Rye, by J. D. Salinger
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual; inadequado para a faixa etária
  4. The Chocolate War, by Robert Cormier
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual
  5. Whale Talk, by Chris Crutcher
    Razões: Linguagem ofensiva; racismo
  6. Detour for Emmy, by Marilyn Reynolds
    Razões: Conteúdo sexual
  7. What My Mother Doesn't Know, by Sonya Sones
    Razões: Conteúdo sexual; inadequado para a faixa etária
  8. Captain Underpants (series), by Dav Pilkey
    Razões: Conteúdo contra a instituição familiar; inadequado para a faixa etária; violência
  9. Crazy Lady!, by Jane Leslie Conly
    Razões: Linguagem ofensiva
  10. It's So Amazing! A Book about Eggs, Sperm, Birth, Babies, and Families, by Robie H. Harris
    Razões: Educação sexual; conteúdo sexual

 

2004

No total 547 contestações foram reportadas ao "the Office for Intellectual Freedom".

  1. The Chocolate War, by Robert Cormier
    Razões: Linguagem ofensiva; ponto de vista religioso; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária; violência
  2. Fallen Angels, by Walter Dean Meyers
    Razões: Linguagem ofensiva; racismo; violência
  3. Arming America: The Origins of a National Gun Culture, by Michael A. Bellesiles
    Razões: Inexato; ponto de vista político
  4. Captain Underpants (series), by Dav Pilkey
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  5. The Perks of Being a Wallflower, by Stephen Chbosky
    Razões: Homossexualidade; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  6. What My Mother Doesn't Know, by Sonya Sones
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  7. In the Night Kitchen, by Maurice Sendak
    Razões: Nudismo; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  8. King & King, by Linda deHaan
    Razões: Homossexualidade
  9. I Know Why the Caged Bird Sings, by Maya Angelou
    Razões: Homossexualidade; linguagem ofensiva; racismo; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  10. Of Mice and Men, by John Steinbeck
    Razões: Linguagem ofensiva;  racismo; violência

 

2003

No total 458 contestações foram reportadas ao "the Office for Intellectual Freedom".

  1. Alice (series), by Phyllis Reynolds Naylor
    Razões: Conteúdo sexual; linguagem ofensiva; inadequado para a faixa etária
  2. Harry Potter (series), by J.K. Rowling
    Razões: Ocultismo/Satanismo
  3. Of Mice and Men, by John Steinbeck
    Razões: Linguagem ofensiva
  4. Arming America: The Origins of a National Gun Culture, by Michael Bellesiles
    Razões: Inexato
  5. Fallen Angels, by Walter Dean Myers
    Razões: Drogas; linguagem ofensiva; racismo; conteúdo sexual; violência
  6. Go Ask Alice, by Anonymous
    Razões: Drogas
  7. It's Perfectly Normal, by Robie Harris
    Razões: Homossexualidade; nudismo; conteúdo sexual; educação sexual
  8. We All Fall Down, by Robert Cormier
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual
  9. King & King, by Linda de Haan
    Razões: Homossexualidade
  10. Bridge to Terabithia, by Katherine Paterson
    Razões: Ocultismo/Satanismo; linguagem ofensiva

 

2002

No total 515 contestações foram reportadas ao "the Office for Intellectual Freedom".

  1. Harry Potter, by J.K. Rowling
    Razões: Ocultismo/Satanismo; violência
  2. Alice (series), by Phyllis Reynolds Naylor
    Razões: Homossexualidade; conteúdo sexual; inadequado para a faixa etária
  3. The Chocolate War, by Robert Cormier
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  4. I Know Why the Caged Bird Sings, by Maya Angelou
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária; violência
  5. Taming the Star Runner, by S.E. Hinton
    Razões: Linguagem ofensiva
  6. Captain Underpants, by Dav Pilkey
    Razões: Linguagem ofensiva; inadequado para a faixa etária
  7. The Adventures of Huckleberry Finn, by Mark Twain
    Razões: Linguagem ofensiva
  8. Bridge to Terabithia, by Katherine Paterson
    Razões: Ocultismo/Satanismo; linguagem ofensiva; violência
  9. Roll of Thunder, Hear My Cry, by Mildred D. Taylor
    Razões: Linguagem ofensiva
  10. Julie of the Wolves, by Jean Craighead George
    Razões: Inadequado para a faixa etária; violência

 

2001

No total 448 contestações foram reportadas ao "the Office for Intellectual Freedom".

  1. Harry Potter, by J.K. Rowling
    Razões: Conteúdo contra a instituição familiar; ocultismo/satanismo; ponto de vista religioso; violência
  2. Of Mice and Men, by John Steinbeck
    Razões: Linguagem ofensiva; racismo; inadequado para a faixa etária; violência
  3. The Chocolate War, by Robert Cormier
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária; violência
  4. I Know Why the Caged Bird Sings, by Maya Angelou
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  5. Summer of My German Soldier, by Bette Greene
    Razões: Linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito; racismo
  6. The Catcher in the Rye, by J.D. Salinger
    Razões: Linguagem ofensiva; inadequado para a faixa etária
  7. Alice (series), by Phyllis Reynolds Naylor
    Razões: Conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária
  8. Go Ask Alice, by Anonymous
    Razões: Drogas; linguagem ofensiva; conteúdo sexual explícito
  9. Fallen Angels, by Walter Dean Myers
    Razões: Linguagem ofensiva
  10. Blood and Chocolate, by Annette Curtis Klause
    Razões: Conteúdo sexual explícito; inadequado para a faixa etária

    Reconheci vários livros que já li ou que gostaria de ler, e vocês?

    Ha det bra!

Nota 1: Essa lista foi publicada no site da American Library Association e aqui reproduzido puramente com o intuito de divulgação sem nenhuma intenção de violar os direitos de quem a detêm.
Nota 2: Parte da lista foi livremente traduzida para que o público alvo do site pudesse entendê-la melhor, para ver o texto original basta acessar este link.


Banned Books Week in USA

    Hallo!

    Amanhã se encerra a Semana dos Livros Banidos, Banned Books Week, um evento anual que ocorre nos EUA onde se celebra a liberdade de ler. O evento reuni representantes de toda a comunidade de livros - bibliotecários, livreiros, editores, jornalistas, professores e todos os tipos de leitores - num apoio comum a livre busca e expressão de ideias.
    O evento é promovido em conjunto por várias associações relacionadas a livros e publicação, como a Americam Booksellers Association; American Library Association; American Society of Journalists and Authors e the Freedom to Read Foundation, só para citar algumas. E, durante essa semana vários eventos foram e estão sendo realizados pelas diversas entidades participantes.

    Antes de um livro ser realmente banido, o que significa ter o seu material removido de circulação e exposição pública, ele é "contestado" (challenge) que é a tentativa de removê-lo ou ter o acesso ao seu conteúdo restringido, baseado nas objeções de um grupo ou pessoa.
    Segundo o site da ALA (American Library Association) "contestar" um livro é sobretudo uma tentativa de excluí-lo dos currículos educacionais e/ou de bibliotecas públicas, porém a maior parte dessas ações não tem sucesso e os materiais continuam sendo usados e disponibilizados.

    Existem várias razões para um texto ser "contestado", mas os três motivos mais citados junto ao Office of Intellectual Freedom são:
  1. Material considerado como sendo "sexualmente explícito"
  2. Material contendo "linguagem ofensiva"
  3. Material "inadequado para qualquer faixa etária"
    Boa parte das denúncias que levam um livro ou material a ser contestado são motivadas pelo desejo de proteger crianças e jovens, o que a princípio é um motivo entendível, mas que não necessariamente é justo em suas alegações e que muitas vezes fere o direito de liberdade de expressão da sociedade.
    Uma interpretação da 'Política Básica de Acesso a Informação' da ALA atesta que "Bibliotecas e representantes do governo devem assegurar que os pais, e somente os pais, tem o direito e a responsabilidade de restringir o acesso de seus filhos, e somente de seus filhos, ao acervo de bibliotecas."

    O assunto é importante e achei interessante a ideia de trazê-lo para evidência e para debate através de uma semana dedicada a ele.
    No próximo post trago uma relação dos 10 livros mais contestados a cada ano, entre 201 e 2012.

    Ha det!
 

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Li até a página 100 e... #01 - Anjos da Morte

    Hei alle!

    Um dia desses eu vi uma meme bacana no blog Eu leio e conto e resolvi testar por aqui, a 'Li até a página 100 e...'.


    A ideia e contar um pouquinho de alguma leitura interessante enquanto eu ainda a estiver fazendo. Vamos lá?



Livro:  ANJOS DA MORTE
              Filhos do Éden - livro 2
Autor:  Eduardo Spohr








Primeira frase da página 100:
“Era apenas um pressentimento, nada concreto, e logo os dois voltaram a caminhar.”

Do que se trata o livro?
  Anjos da Morte é o segundo livro da série Filhos do Éden, e aqui acompanhamos a jornada do anti-herói Denyel, um querubim exilado que foi recrutado pela ordem dos malakins para integrar o esquadrão dos anjos da morte, agentes celestiais com a missão de participarem de todas as guerras humanas que foram travadas no século XX. Participando de atos contrários a sua essência celeste, presos a carne e convivendo com o pior e melhor da humanidade esses anjos adquiriram cada vez mais os vícios e hábitos mundanos. Denyel e a sociedade que o cercam passam por uma jornada de declínio.


O que está achando até agora?
   Gosto muito da escrita do Spohr, e Anjos da Morte tem um ritmo mais introspectivo, apesar de por enquanto todos os capítulos de Denyel são com ele em ação na Segunda Guerra Mundial. Esse clima mais soturno cai bem ao personagem e está sendo bem gostoso de ler.



O que está achando da personagem principal?
   Denyel é daqueles personagens que mesmo com umas atitudes repreensíveis aos poucos vai conquistando a nossa simpatia, e está sendo legal ver como foi o "embrutecimento" de seu espírito e o crescimento de seu sarcasmo e descrença do mundo.

Melhor TRECHO até agora:
"(...) Sibilou as palavras mágicas, como as nomeara, o mantra que recitava sempre que as emoções ameaçavam suplantar a razão: - Não é uma guerra, é um jogo." - pag. 38

Vai continuar lendo?
  Claro!! Essa história já me pegou e não vai me largar mesmo depois de eu ter terminado o livro. Quando é que sai mesmo o terceiro????

Última frase da página:
 “- Soldado? - o sargento o imprensou contra o muro. - De onde eles vieram?”

    Agora vou ali ler mais 100 páginas...

    Ha det!

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

TAG: The name book game

    Hei alle!

    Estou achando vídeos e "posts" de tags literárias muito divertidos, e resolvi fazer mais uma aqui no blog. A de hoje é a "The name book game tag", que já está rolando desde o comecinho do ano e já foi feita por vários canais literários.

    A brincadeira foi criada pela Kimberley do KimberleysBookNook, e vc pode ver o vídeo original clicando no nome do canal dela.

    A tag consiste em apresentarmos livros cujos títulos comecem com cada uma das letras do nosso primeiro nome, e contar um pouquinho do livro, seja o que achou ou porque escolheu ele. Valem livros que você já tenha lido ou que tenha na sua estante.

    Eu resolvi utilizar livros que tenho na minha estante para completar JULIANA, e os escolhidos são os seguintes.


      
    Os artigos no começo de títulos foram desconsiderados nessa montagem.

    Para a letra 'J' escolhi The Jedi Path, um livro super bacana sobre o mundo Star Wars. Já até falei algumas vezes dele aqui no blog, e pra conferir a resenha é só clicar no nome do livro.

    Achar a letra 'U' foi o mais difícil! Só tenho O Universo numa casca de noz, do Stephen Hawking, que aliás nem é originalmente meu, e sim veio com as coisas do marido. Já comecei a ler esse livro a um tempo atrás, mas o texto é pesado e acabei protelando tanto que não terminei até hoje.

    Para a letra 'L' optei pelo livro que encerra a série Os Filhos da Terra, da autora Jean M. Auel, que em inglês se chama The Land of Painted Caves. Conheci essa série a uns bons 10 anos quando eu frequentava a biblioteca da cidade onde eu morava. Só que no Brasil na época só haviam lançado acho que uns 3 de 5 publicados na época. Aos tropeções fui acompanhando a série lendo as versões em português de Portugal. Porém, assim que cheguei na Noruega achei o sexto e último volume, esse escolhido, em inglês e comprei-o. É o único livro que tenho da série. A série como um todo tem altos e baixos, mas eu me encantei com a personagem principal Ayla e queria muito saber o final de sua história.

    A seguinte vogal, 'I', foi representada pelo livro Infâmia, da autora brasileira Ana Maria Machado. Título que li essa semana e mês que vem tem resenha no blog. Muito bom!

    O primeiro 'A' foi preenchido por Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley. Uma distopia chocante! Li esse ano para o Reencontrando os Consagrados e foi incrível, surreal, revoltante, enfim, um clássico que deveria ser lido por mais pessoas.
    No 'N' também não encontrei muitas opções, e acabei optando pelo primeiro livro que li de Nicholas Sparks, Noites de Tormenta. O livro é bem emocionante, bem escrito e de leitura fácil. Entendi por que esse autor anda tão famoso.

    E, por fim, para o último 'A' escolhi o livro Anjos da Morte, o segundo volume da série Filhos do Éden do brasileiro Eduardo Spohr. Quero muito começar esse livro, pois adorei o mundo criado por Spohr!

    Então, a composição ficou assim:

      the Jedi path
         o Universo numa casca de noz
      the Land of painted caves
            Infâmia
           Admirável mundo novo
           Noites de tormenta
           Anjos da morte




    Como eu disse lá no começo, muitas pessoas já responderam a essa tag, mas vou indicar ... blogs que eu acho que ainda não a fizeram, mas se você ainda não fez também e se animou vai lá, faça a sua versão, só não esqueça de dar os créditos para a criadora.

    Blogs indicados:
  -  Vícios de uma Baiana
  -  Recanto de Livros
  -  Amount of Words

    Ha det bra!!

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Resenha: Caim

    Hallo!

    Hora de mais uma resenha para o Desafio Literário 2013!
    O mês de setembro foi reservado para leituras de autores portugueses contemporâneos. Assim, para cumprir essa meta eu escolhi conhecer o estilo de José Saramago, com Caim.




    Título: Caim
    Autor: José Saramago
    Editora: Companhia das Letras
     Formato: paperback
    Qde páginas: 172
    Idioma: português






Resenha:

    Em Caim, José Saramago reconta episódios bíblicos do Velho Testamento sob o ponto de vista de Caim, que, depois de assassinar seu irmão, trava um incomum acordo com Deus e parte numa jornada que o levará do jardim do Éden aos mais recônditos confins da criação.


    Esse não é um livro para ultra conservadores, Saramago descreve um Caim que não aceita todo o peso de seu ato como exclusivamente seu e acusa Deus de ter consentido, e até mesmo participado em omissão, seu pecado capital. Dessa acusação sai um estranho acordo, em que Deus não pune Caim imediatamente, mas o marca.
    A partir daí Caim viagem por várias passagens bíblicas, de formas inusitadas e que nos deixam sem saber se ele estava realmente só andando pela Terra, ou se ele estava cruzando o tempo, de alguma forma.
    E, é pela visão de Caim que Saramago descreve algumas dessas famosas passagens, pela visão de um cético que crê que Deus é um egoísta e negligente com sua obra, os humanos.

    A escrita de Saramago não é fácil de acompanhar a princípio, ele não faz muito uso de pontuações, o que pode deixar o texto bem cansativo. Em alguns trechos sente-se uma raiva e um grande questionamento sobre as vontades e caminhos divinos. E durante boa parte do livro eu ficava me perguntando o por quê de Caim estar passando por tudo aquilo, tinha que haver alguma razão para a minha mente lógica poder compreender.

    O final foi surpreendente, e me deixou certa de ter lido um bom livro, difícil e com o qual eu discordei várias vezes, mas ainda assim um bom livro.


  Avaliação: 4 livros!




 Ha det bra!

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Um pedacinho da Noruega ... Frognerparken - Oslo

    Hei alle!!

    Hoje voltei pra mostrar mais um pouquinho da cidade de Oslo.

    Oslo é uma cidade cercada e permeada de natureza, a integração é enorme, e mesmo nos bairros onde o asfalto e os prédios dominam mais o entorno há sempre um parque por perto. Além disso, a cidade é cercada por montanhas, florestas e lagos, é muito fácil de escapar do estresse e se beneficiar do contato com uma área mais calma.


    O maior parque da cidade é o Frognerparken, também conhecido como Vigelandsparken. É uma área linda, cheia de encantos, cantos e possibilidades. Atraia muitos turistas por sua beleza e suas inúmeras estátuas, todas do Vigeland, mas ele pertence mesmo é aos cidadãos, que o utilizam para espairecer, brincar, andar de bicicleta, namorar, passear, estudar, se exercitar, lanchar, tomar banho de sol, reunir a galera, brincar na neve, ir a peças infantis, nadar, enfim, se o nativo acha que algo dá pra fazer ao ar livre, provavelmente ele já usou, usa ou usará o parque para isso.

 


     O Frognerparken fica no bairro de Majorstuen e é facilmente acessível por bonde elétrico, ônibus ou metrô, porém dependendo de onde você está vale muito a pena chegar lá caminhando entre as ruazinhas do entorno.


    Além de lindo, multiuso e querido, esse parque tem muita história. Antes dos 1600 a região já era um jardim privado, que foi trocando de dono até virar propriedade da prefeitura e virar um parque público. Ele já abrigou a comemoração de 100 anos da Constituição da Noruega, em 1914. Já teve sua área mais alta, onde hoje está um enorme obelisco, cogitada para abrigar um novo prédio do parlamento e teve seu paisagismo e design assumido pelo escultor Gustav Vigeland numa transação com o governo, que lhe rendeu apoio financeiro e ateliê em troca de todas suas peças já produzidas até então e a serem produzidas.




    Não tenho a pretensão de achar que esse meu pequeno post faz jus a importância desse parque a cidade, mas é uma pequena demonstração de carinho por um lugar que me acolhe em qualquer parte do ano, seja qual for a estação e o meu humor.



    Para quem ainda não conhece, vale muito a pena visitar. Mas se vier, reserve a ele uma longa tarde, ou até mesmo um piquenique no gramado, passeie pelas alamedas, encontre alguns dos seus recantos, não se atenha somente ao passeio padrão pela via principal. Você vai se maravilhar ainda mais, tenho certeza.




    Ha det bra!!

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Clube do Livro Virtual

    Hei hei!!

    Eu sempre tive curiosidade de saber como era participar de verdade de um clube do livro, mas nunca tinha conseguido conciliar os horários, locais ou preferências dos clubes presenciais que eu descobria com as minhas possibilidades.
    Pouco antes de eu me mudar pra Noruega o site SobreLivros pôs no ar o 'Reencontrado os Consagrados', o clube do livro deles, que esse é virtual, o que pra minha situação da época era, e atual, é uma ótima. Desde então tenho tentando acompanhar as leituras escolhidas e participar do chat online para trocar ideias e impressões sobre as leituras.

    A proposta do 'Reencontrado os Consagrados' é "(...)a leitura de livros que estão entre os consagrados da literatura mundial.", para ver o post explicativo sobre o clube é só acessar aqui.
    O ambiente de discussões é bem legal, e me surpreendi positivamente com vários dos livros propostos. A cada novo encontro os participantes votam nos livros sugeridos durante as semanas anteriores, e assim nada é imposto.

    A sétima edição do encontro já está chegando, é dia 05 de outubro, e vamos debater sobre o livro Laranja Mecânica de Anthony Burgess. Já já vou começar a minha leitura, e quem quiser participar é muito bem vindo! Veja os detalhes aqui.

    E vocês, participam de algum clube do livro, seja física ou virtualmente?

    Ha det godt!

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Oslo Bokfestival 2013: Minha participação

    Hei hei!

    Nos últimos sexta e sábado aconteceu o Oslo Bokfestival 2013, um festival anual de livro aqui em Oslo que promove vários eventos relacionados com livros e leituras. Passei boa parte da sexta por lá e vim contar pra você um pouquinho das minhas impressões sobre o evento.


    De acordo com a comissão organizadora, Oslo Bokfestival "desejava inspirar o aumento da leitura promovendo dois agitados dias onde o livro era o centro das atenções".
    Nos diferentes palcos, tendas e cenários estiveram mais de 200 escritores em mais de 200 apresentações diversas. Tudo aberto ao público e grátis.


    A principal área de eventos foi a praça Spikersuppa no centro da área principal da Karl Johans Gate. O chafariz da área foi desligado e por cima dele foi montado a Hovedscene (o palco principal).

Hovedscene - Palco principal


    Teve programação para todos os gostos literários, para crianças, jovens e adultos, com autores renomados e iniciantes, para quem gosta ficção, poesia e leitura acadêmica, sessões de autógrafos, debates, entrevistas, sessões de leituras de trecho de livros pelo próprio autor, apresentações, degustações, festa, música, promoções, e muitos, muitos livros!!

Parte das várias tendas do Festival

    No meio da área principal estava a tenda de Informações, e mesmo já tendo meu programa detalhado num caderninho, peguei o guia para ter um mapinha mais preciso das localizações dos eventos.

Ponto de informação

    A primeira apresentação que eu queria ir era sobre Matemática Experimental. Agora o que que isso teria a ver com um Festival de Livros? O pessoal da organização, associado com o pessoal da Universidade de Oslo trouxe vários escritores membros da universidade para falar sobre diversos temas diferentes, no programa denominado Festivaluniversitet. Achei super bacana a forma de incluir a produção literária acadêmica no festival!

Festivaluniversitet - local e algumas apresentações

    Os temas tratados foram diversos, como matemática, significado dos miados felinos, geologia, física nuclear, clima, ovinos, cosmos, arqueologia, entre outros. O local das apresentações também foi bem legal, um teatro antigo onde hoje em dia é um bar focado em apresentações de Jazz, o Victoria Nasjonal Jazzscene.

    O palco principal teve uma agenda cheia, mas gostei especialmente do debate com quatro autores sobre a utilização de fato e ficção como forma de auto representação em suas obras. A abertura oficial também foi bem bacana.

Diversas apresentações no palco principal

    No sábado o principal evento foi a comemoração do Jubileu de 60 anos do autor Lars Saabye Christensen, com homenagens de diversos escritores e leituras de trechos de sua obra. Mas, infelizmente não deu pra eu ir nessa apresentação.

    Uma tenda bem legal, para nós brasileiros, era a que apresentava os dois livros de Machado de Assis que foram traduzidos para o norueguês e publicados esse ano. É a primeira vez que a obra do nosso romancista é lançada em norueguês.

Tenda dedicada a obra de Machado de Assis em norueguês


    Os dois livros lançados foram Dom Casmurro, e Memórias Póstumas de Brás Cubas.

    Fora do eixo principal do festival rolou o Bok i Passagen (Livros na Passagem), um  mini evento promovido pelas duas livrarias dessa galeria. Na sexta o foco foi a apresentação de autores de livros relacionados de alguma forma a culinária, contando até mesmo com degustações. Enquanto no sábado a atenção foi toda para as crianças.

Apresentações do Bok i Passagen

    Além de todos os encontros, debates, apresentações e leituras, o festival também foi lugar de exposição de livros, com várias livrarias presentes, o que rendeu, além de uma ótima e variada seleção, um festival de promoções (rsrss, não resisti ao trocadilho).

Variedade de livros

E muitas promoções

    O Festival foi bem legal, consegui me divertir, aprender, socializar e fazer boas compras. A organização está de parabéns! E, que venha o Oslo Bokfestival de 2014!!

    Ha det bra!!

domingo, 15 de setembro de 2013

Outono em Oslo - 2013

    Hei alle,

    Oficialmente ainda falta uma semana para a chegada do outono no hemisfério norte, mas já faz uns dias que a coloração da natureza tem mudado por aqui, que o tempo tem ficado mais preguiçoso e os dias tem amanhecido nublados, mesmo que depois o sol apareça, e que as noites tem chegado mais cedo.

    Apesar da temperatura começar a cair e começar a flutuar a se aproximar dos 15 ºC a 10 ºC, até outubro ainda é possível pegar dias mais mornos, a chuva leve também começa a aparecer mais vezes, e a ordem é se vestir em camadas, para poder passar o dia de uma manhã geladinha para um meio de dia relativamente quente.

    E, apesar disso tudo me lembrar que o inverno está chegando, o outono é uma estação linda de se ver aqui pela Escandinávia. As folhagens começam a mudar de cor, algumas ficando meio amareladas, e muitas avermelhadas, muitos arbustos e árvores frutíferas ainda estão carregadas de frutinhas, e logo um tapete de folhas vai cobrir as calçadas e gramados e as árvores começaram a ficar desfolhadas. 
    Nesse comecinho de outono é encantador ver essa abundância, a mistura entre o verde e o laranja e vermelho, os bandos de passarinhos se preparando ou para migrar, ou para se protegerem do inverno. E, a cidade ainda mantém o seu encanto mas já não tem tantos turistas, o que confesso é um alívio depois de um verão apinhado deles.


    Que esse outono traga muitas tardes de leituras, de conversas com amigos, aconchegos no sofá, e bebidas quentinhas pra nos aquecer enquanto apreciamos o show que a natureza nos dá a cada dia.


    Ha det bra!

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Cultura em Oslo: Fim de semana cultural

    Hei alle!!

    Hoje começa o "Oslo Bokfestival"!!! Estou revendo minha programação e hj vou passar a tarde toda passeando e aproveitando o festival.
    Mas, a onda de cultura na cidade está enorme nesse fim de semana, vários eventos diferentes vão acontecer.
    Hoje a noite tem a "Oslo Kulturnatt", um evento anual que concentra inúmeras atrações culturais numa mesma noite. Tem de tudo, exposições, visitas guiadas, música, ópera, peças, festivais específicos, lançamentos, dança, enfim, são mais de 60 atividades programadas. O site do evento além de detalhes tem arquivos com a programação em norueguês e em inglês que podem ser baixados.
    E, o terceiro grande evento que vai acontecer entre hoje e amanhã é o "Matstreif 2013", um festival sobre a comida norueguesa, e é uma iniciativa do "Innovasjon Norge" para promover e divulgar os ingredientes e as comidas tradicionais e atuais do país.

    Muita coisa acontecendo ao mesmo tempo!!!
    Não vou conseguir participar de tudo o que gostaria, mas uma coisa é certa, vou aproveitar bastante.
    Depois volto pra comentar minhas impressões sobre os eventos.

    Para quem está por aqui esse final de semana: aproveite também!!!

    Ha det!

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Vida em Oslo: Como se associar a biblioteca local

    Hei alle!

    No meu primeiro texto sobre "Leitura na Noruega", eu escrevi sobre a Deichmanske Bibliotek, e hoje vim contar como é fácil se associar a biblioteca e poder desfrutar dos benefícios que a carteirinha da instituição proporcional.


    Qualquer morador legal na cidade pode se associar a Deichmanske Bibliotek e ter o seu cartão de empréstimo da biblioteca.
    Os dados necessários são:
    - um documento de identificação com foto que contenha seu número de registro pessoal (no caso de estrangeiros, leve o passaporte, o cartão do visto, e a carta com o número do seu registro pessoal, ou cartão do banco que tenha foto)
    - endereço
    - dados pessoais
    - informações de contatos

    O processo é muito simples e fácil e é gratuito, e pode ser feito numa das filiais ou mesmo pela internet (neste link).

    Crianças a partir dos 6 anos já podem ter o seu próprio cartão, e até os 15 é necessário apresentar uma autorização por escrito dos pais.

    Com o cartão pode-se pegar emprestado até 20 itens da biblioteca ao mesmo tempo! Mas a instituição reserva-se o direito de limitar essa quantidade se achar necessário. E, nas regras está escrito que quem não tem o número de registro pessoal pode retirar até dois itens ao mesmo tempo.

    Para livros o tempo de empréstimo normalmente é de 4 semanas e para DVDs é de 1 semana.

    Com o número da sua carteirinha e sua senha é possível, também, utilizar os computadores disponíveis na biblioteca (quem não tem o cartão pode usar algumas máquinas específicas, mas o tempo de uso é limitado e curto), incluindo a internet.

    Pelo site é possível pesquisar as obras existentes, ver a disponibilidade das cópias nas diversas filiais e até fazer a reserva de um exemplar.

    Corre lá pra fazer o seu cartão e ter acesso a um mundo de cultura!

    Ha det!

segunda-feira, 9 de setembro de 2013

En bok på norsk: Anunnaki

    Hei hei!

    Mês passado peguei duas "graphic novels" emprestadas na biblioteca para treinar o meu norueguês. A ideia era contar com a ajuda das gravuras para entender melhor as histórias. E, hoje vim falar sobre um desses quadrinhos, o Anunnaki.




    Existe uma crença que acredita na colonização do planeta Terra, a 432 mil anos atrás, por um povo chamado Anunnaki. Os Anunnaki teriam vindo do planeta Nibiru, e seu nome significaria "Aqueles que desceram dos céus" em sumérico. Achei até um artigo na internet que resume um pouco essa teoria.

    Pois bem, com esse histórico, confesso que minhas expectativas subiram um pouco antes de começar a leitura do livro.
    Como ainda não sou fluente na língua, li a história duas vezes, pra poder tentar entender o máximo possível. Na primeira parte da leitura fiquei meio decepcionada com a história, estava sentindo algumas pontas soltas, e truques puxados da manga, mas no final acho que entendi a ideia dos autores.

    A Noruega não tem tradição em produzir histórias de ficção científica, e essa "graphic novel" é o primeiro romance do gênero publicado por aqui em 40 anos! A história foi pensada de forma a ser publicada em partes, porém até agora somente a primeira parte foi lançada.

    Com essas novas informações em mente consegui apreciar mais a obra em si.



    Título: Anunnaki
    Autores: Håvard S. Johansen & John S. Jamtli
    Editora: Egmont
     Formato: 'graphic novel' em hardcover
    Qde páginas: 76
    Idioma: norueguês





    O pano de fundo da história é baseado na teoria conspiratória de que Nibiru é um planeta do Sistema Solar que tem uma grande órbita elíptica, e que só se aproxima da Terra a cada 3600 anos. Com a mais recente aproximação de Nibiru, os pólos da Terra se inverteram o que provocou uma nova era glacial. O povo extraterrestre domina parte da humanidade enquanto a outra se esconde em abrigos subterrâneos.
    O foco principal nesse primeiro volume recai sobre uma mulher e seus dois filhos que fugindo dos extraterrestres tenta encontrar os humanos exilados. Ela volta para uma estação na Noruega, onde teria sido separada dos pais durante a confusão de retirada para os abrigos, e acaba encontrando um descendente dos sami que não foram aceitos nos refúgios subterrâneos, por não terem sido considerados como representantes da cultura norueguesa.
    Parte dos efeitos tecnológicos são bem legais, nada novo, mas bem usados. A trama tensa se mostra complexa do meio para o fim do livro, e deixa um gancho para a próxima história. Os invasores mal aparecem aqui, e vemos mais suas máquinas de caça e extermínio. E, as ilustrações são boas o suficiente para incrementar a história com detalhes.
    Foi um trabalho bem feito, e provavelmente ficaria muito mais interessante completo.

   Avaliação: 3 livros




    Ha det!!